Catapu

A gestão florestal da dalmann guia-se nestes principios fundamentais:

  • Planeamento: através de inventários intensivos, os recursos são medidos e avaliados.
  • Exploração Florestal Selectiva: usando a informação recolhida pelo inventário, as nossas qualificadas equipas florestais selecionam cuidadosamente as árvores para minimizar o impacto e para se certificarem de que não há nenhum distúrbio desnecessário com a nidificação dos pássaros, colonias de insectos, sítios cerimoniais, etc.
  • Exploração Florestal de baixo impacto: através do uso de equipamento agrícola em pequena dimensão para minimizar a perturbação na floresta.
  • Acompanhamento e avaliação: gravando, acompanhando e avaliando todas as operações a TCT Dalmann pode avaliar a dimensão do impacto.
  • Utilização máxima: através do fabrico de produtos, móveis de valor acrescentado, aparas, colmeias e habitação nós maximizamos o uso de cada árvore extraída. Os resíduos de serraria são usados para aquecer o forno de secagem de madeira e os sistemas de água em M'phingwe. Esta filosofia estende-se para os produtos que não são de madeira, incluindo o turismo e mel.
  • A regeneração natural: protegendo a floresta, principalmente do fogo, assim a possibilidade de regeneração natural é maior.
  • Gestão de desbaste: sistema bem-sucedido de gestão do desbaste das ramificações para promover o crescimento a partir de tocos.
  • Reflorestação: através da replantação através da proporção de 4 novas árvores indígenas por cada uma que é abatida, A Dalmann assegura que repõe mais do que retira. Até à data reflorestámos mais de 80 000 árvores.
  • Diversidade em produtos não de madeira que incluem turismo, exploração mineira, formações e serviços de consultoria. 

DALMANN FOREST MANAGEMENT IS GUIDED BY THESE FUNDAMENTAL PRINCIPLES:

  • Planning: through intensive inventories, resources are measured and evaluated.
  • Selective logging: using the information gathered by the inventory, our skilled forestry teams carefully select trees to minimise the impact and take care to ensure no unnecessary disruption of nesting birds, insect colonies, ceremonial sites etc.
  • Low impact logging: through the use of small-scale agricultural equipment to minimise forest disturbance.
  • Monitoring and evaluation: by recording, monitoring and evaluating all operations TCT Dalmann can assess the impact.
  • Maximum utilization: through the manufacture of added value furniture products, turnings, bee hives and housing we maximise the use of every tree extracted. Sawmill waste is used to heat the timber drying kiln and water systems at M’phingwe. This philosophy is extended to non-timber forest products including tourism and honey.
  • Natural regeneration: by protecting the forest, principally from fire, it is offered the best chance for natural regeneration.
  • Coppice management: a highly successful system of managing the coppice offshoots to promote new growth from stumps.
  • Reforestation: by replanting at a ratio of 4 new indigenous hardwood trees to every one felled, Dalmann ensures we put back more than we take out. To date we have reforested over 80,000 hardwood trees.
  • Diversification in non timber forest products including tourism, mining, training and consultancy services.